Para ser feminista é preciso ser antirracista

Feminismo antirracista. Crédito: Carina Rosa

Feminismo antirracista. Crédito: Carina Rosa

No dia 29 de agosto, nos painéis simultâneos do 9º Encontro Internacional da Marcha Mundial das Mulheres, militantes negras e não-negras, de todas as partes do Brasil e de outros países, debateram as razões pelas quais a MMM defende que o feminismo deve ser antirracista em sua essência. O Encontro, que ocorreu no turno da manhã na tenda Dandara, reforçou a centralidade do debate racial para a construção de um feminismo verdadeiramente revolucionário.

A concepção antirracista, assim como a opção e defesa de um modelo econômico baseado na igualdade, surge de uma compreensão macropolítica do movimento feminista, na qual as opressões de gênero, raça e classe se entrecruzam diante da opressão patriarcal. As intervenções da mesa e da plenária, embora representassem diferentes lugares de fala, convergiram em uma opinião de que não é possível ser feminista e não entender que as mulheres negras sofrem uma opressão diferenciada e, portanto, necessitam de soluções diferenciadas .

A companheira Sandra Mariano, militante da Marcha e integrante do Fórum Estadual de Mulheres Negras de São Paulo, fez uma breve contextualização do processo escravocrata que se deu no Brasil e de como é possível identificar suas marcas nos fenômenos contemporâneos de discriminação racial. As mulheres negras continuam ocupando, em sua maioria, as profissões vinculadas ao serviço doméstico e ao cuidado. Elas são maioria entre a população mais pobre de todos os países, estão expostas às doenças mais graves, aos atos mais cruéis de violência e às situações de maior vulnerabilidade social.

Na mesma mesa, trazendo experiências do outro lado do Atlântico, a moçambicana Nilza Chipe relatou os resquícios permanentes do colonialismo sobre a vida das mulheres africanas, em suas múltiplas realidades. Comentou como o imaginário de que a África é um único país persiste ainda hoje, e invisibiliza a diversidade cultural de cada país e as diferentes formas de opressão exercidas nestas regiões.

Alguns dos temas transversais que surgiram ao longo do debate, a exemplo da ocupação de espaços de poder, das relações com o mundo do trabalho, com as religiões, a sexualidade e a violência, ilustravam o quanto as opressões de raça e gênero são indissociáveis. O consenso de que é necessário construir uma solidariedade entre todas as feministas com as situações de opressão específicas sofridas pelas mulheres negras, no caminho da emancipação feminina em sua forma mais completa.

Anúncios

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: